Páginas

Inspirações boas

27 abril 2014 Nenhum comentário

Música do dia: Fergie - Big Girls Don't Cry 

“O mundo fica mais bonito quando a gente carrega coisas boas no peito.”
—Clarissa Corrêa. 

Como planejei no feriado, hoje (finalmente) vou falar só sobre covers que andei ouvindo esse feriadão, e uns mais antigos que eu já tinha ouvido e me encantado.
Acho que devo começar pela 
Clau Riffel , eu descobri o canal dela no sábado e desde então ouvi todas as músicas; e vou compartilhar a minha favorita com vocês: Fallin- Alicia Keys 


 E acho que a Yestarday ficou perfeita com ela, eu não conhecia essa música direito, tanto é que fui procurar a original e dei uma ouvida. Gente... Sem condições, o cover é bem melhor, pelo menos a meu ver...

E como eu a ouvi cantando também uma música da Pink – eu que sou louca por essa mulher (Pink) – bateu aquela saudade de ouvir minha diva e eu fui atrás, mas isso é papo pra outro dia. A questão aqui é que eu encontrei outros covers da música dela, como os da Nicole Cross, cantando Try e Just give a reason (sou apaixonada por essa música, confesso), essa última original tem a participação do incrível Nate Ruess. 


 



Ainda em terreno da Miss Pink eu encontrei esse outro cover que até que ficou bom, que é cantada por Sam Tsui e Kylee.
Outra duplinha boa que achei por acaso foi esse dois aqui que mandam muito bem cantando Fallin’ da Alicia Keys, e Domino da Jessie J, eles estão no Youtube como TakeTwo.



 

Já pulando para o terreno da Whitney Houston encontrei um cover da Nicole Scherzinger bem curtinho e a apresentação da Leona Lewis na final do X Factor. 

Achei esse cover por acaso vagando pela internet que é da Chrissy Costanza com o Alex Goot e Kurt Schneider e simplesmente me apaixonei, amei esse cover. E deles mesmo eu ainda tive a oportunidade de ouvir covers como Beauty and a beat do Justin Bieber e Photograph do Nickelback.

Agora um que me surpreendeu tanto quanto o cover de Counting Stars – OneRepublic da Chrissy Costanza com o Alex Goot e Kurt Schneider foi esse da The Macy Kate Band com o Kurt Schneider cantando Radioactive - Imagine Dragons.

Bom, esses são os covers que eu mais gostei, mas não são os únicos que conheço e que curto, quem sabe eu não falo de mais alguns com o passar do tempo...

Playlist Renovada

20 abril 2014 Nenhum comentário

Música do dia:Renato Vieira - João de barro *

“Nem tive tempo pra mudar o que errei, nem tive tempo pra falar que te amei.”   — Renan Bilk

Como já disse antes, eu ando muito nostálgica, e as músicas são a maior prova disso, elas refletem exatamente o que se passa em nosso interior, nossos sentimentos, nossas crenças... Claro que há suas exceções...
Amanhã provavelmente o assunto que não vai sair da minha boca e das minhas redes socais é sobre os covers que ando assistindo, gente é inspirador... Então algumas músicas que a tempos eu não ouvia, começaram a martelar na minha cabeça e eu comecei a ouvir todas de novo, de várias formas, principalmente as acústicas. Por isso a playlist da semana vai sair diferente do que vem sendo, mas isso é algo bom, porque são músicas perfeitas, com letras tocantes e que inspiram e nos fazem viajar, nos fazem reviver momentos. É gostosa a sensação de poder voltar no tempo ás vezes, de uma maneira sadia, claro.
  • Segunda: Vai ser numa pegada bem light porque ainda é feriado e eu estou curtindo a casa da vovó, descansando a mente, antes de voltar com tudo para a realidade acelerada.
       Aerosmith - What Could Have Been Love

  • Terça: Para dar uma animada, já que as aulas voltam e até médico de tarde. Eu escolhi essa música pois sou APAIXONADA por ela, pela banda, pelo clipe... Ela é simplesmente perfeita! E me lembro da minha sis, que anda tão longe de mim ;(
       Aerosmith - Crazy

  • Quarta: As tarefas vão se acumulando, não? Hora de repensar a organização e colocar tudo em dia, inclusive sua rotina.
           Projota - Mulher

  • Quinta: É preciso equilíbrio, focar no dia em que se vive, e esquecer o amanhã um pouco. Em outras palavras: é necessário se dedicar de corpo e alma ao que se vive, por mais cansativo que seja. Não dividir sua energia entre dois tempos (presente e futuro) ajuda.  
       Aerosmith - I Don't Wanna Miss a Thing

  • Sábado: Compromissos mais leves, mas não menos importantes, requerem nossa atenção. Essa música é perfeita para esse dia, ao meu ver, e pelos meus planos...
       Paramore - Ain't It Fun   

A Playlist dessa semana que vem ai é essa, espero que gostem. Ah, e aceito dicas, sugestões... Amo conhecer músicas novas, vídeos, bandas... 

*Foi uma indicação de um amigo meu. Mandou muito bem *-*
 Aqui vai o cantor original: 
Leandro Leo - João de Barro

Nostalgia diferente

18 abril 2014 Nenhum comentário

Música do dia: Onze:20 - Pra Você


“Somos como um trem, que não tem trilhos.” —Desnortiada.
Uma espécie de nostalgia toma conta do meu ser, e eu não sei ao certo de onde ela vem, ou do que se constitui. Apenas sei de sua existência e já sofro com ela. É como sentir saudade do que nunca se viveu, do que é incerto, de coisas que nem ao mesmo fazem sentido.
Mas o que realmente faz sentido? No que vale a pena acreditar? Atrevo-me a dizer, que não há resposta melhor do que nada realmente faz sentido, e que tudo depende do ponto de vista do qual se vê, do qual se sente ou se deseja estar; e que tudo é digno de se acreditar. Ousaria em ir mais além, se você me entender, vai entender (e eu não errei na escrita, e muito menos estou cometendo um vício de linguagem, é exatamente isso que eu quis dizer: que se você me entender, vai entender isso aqui), se você acredita, existe, e apenas isso. Basta realmente acreditar e sentir, que é possível, se torna existente de alguma forma, mesmo que seja só para você. Afinal, você quer um espetáculo para quantas pessoas? Sendo que no final, só diz respeito a você, só é importante para você.
É confuso, eu sei. Mas até o confuso faz sentido. Eu aprendi isso, só não sei quando e nem como, só sei que isso faz parte da minha vida.
Voltando à nostalgia... Fico em dúvida se esse sentimento, ao qual nomeio nostalgia, é capaz de evoluir, se ele tem força de reação sobre minhas atitudes. Partindo da hipótese de que tenha, talvez minha vida se torne a grande aventura que eu sempre sonhei, talvez eu finalmente largue os estereótipos para me jogar de cara na minha personalidade sólida e densa, sendo assim, talvez se eu aprender a conviver e lidar com essa nostalgia, eu passe a ser mais Eu mesmo e menos o Eu do mundo.
Aposto no jogo em que essa nostalgia vem como reforço de vida, como um incentivo que me mostra algumas coisas que eu poderia ter sido e ter feito, que eu ainda posso, nunca é tarde demais...

Sempre voltando

16 abril 2014 Nenhum comentário

Música do dia: Ellie Goulding - Burn
“Acho que fiz tudo do jeito melhor, meio torto, talvez, mas tenho tentado da maneira mais bonita que sei.” —  Caio Fernando Abreu


Sei que dei uma sumida, mas é que a vida requereu muito mais energia minha do que eu estava preparada para dar. Provas (tanto do curso, quanto da faculdade), alguns trabalhos, fiquei doente algumas vezes... Foi difícil, mas parece que peguei o ritmo de 2014 agora. E veja só! O tempo vai passar voando...
Mas vale dar tudo de si todo dia, desde o primeiro passo para fora da cama, até o último diário em direção a mesma. Quando você dá tudo de si, parece que o sentimento muda junto, fica maior, mais intenso, mais valioso. Talvez pensasse duas vezes antes de arruinar tudo por bobeiras, de se estressar por coisa pequena. Quase nada é perfeito, apenas algumas imperfeições são perfeitas...
Todos os dias, temos algumas coisas desagradáveis, mas tudo depende do como a encaramos, do nosso ponto de vista, e da nossa reação. Todo o controle, tudo, está na nossa própria mente. Somos nós mesmos que fazemos os nossos dias e não podemos culpar terceiros porque as coisas dão errado; porque se dão errado, é porque de alguma forma nós estamos deixando ser assim, e estamos colaborando para que isso ocorra.
Nós somos diretores das nossas próprias vidas, do nosso dia a dia. Não é só o glamour e o sucesso que vem das e para nossas mãos, mas também os “fracassos” e incertezas.
Nesse período que passei fora, eu vi o quanto eu posso fazer e simplesmente não faço, e não faço por minha culpa, minha e somente minha. Um grande exemplo são minhas notas, eu só não fui melhor porque eu não me preparei, não me planejei, porque não estudei direito... Não dependo do professor inteiramente, não me importa se ele é ou não é o que tem que ser dando aula, se ele exerce seu papel direito e com todo empenho ou não, eu sempre posso aprender algo com ele, ele sempre vai ter algo a me passar, isso é mais do que humildade, é esperteza e consciência, de que eu não sei nada do mundo e da vida, nada que seja realmente significante perante tudo o que a vida é e tudo o que o mundo representa. E partindo desse pressuposto, dessa base de que estamos no mesmo barco e que sozinha eu vou me garantir, é que acontece um vínculo mais forte entre os dois lados da situação (no caso: professor e aluno), e desse vínculo vem o aprendizado e desenvolvimento mútuos.
Quando a gente arruma um plano B, se garante, muitas habilidades se desenvolvem e florescem, como por exemplo, a de raciocínio, a de socialização – porque talvez você precise ainda de outra pessoa para ajudar na situação, para usar como inspiração, para se espelhar... -, entre tantas outras.
Coisas fáceis, rotuladas e quadradas não me satisfazem mais. Eu preciso de mais. Eu mereço mais. E ninguém melhor para ser responsável por isso, do que eu mesmo.
 
Desenvolvido por Michelly Melo.