Páginas

Última Play 2014

28 dezembro 2014 Nenhum comentário

 Música do dia: Você merece mais - Sam Alves

Todo mundo tem um lado bonito. Eu gosto disso. — Tati Bernardi


Bom, como podem confirmar pelo calendário, o ano está realmente por um fim, menos de uma semana. A Play dessa vez será curtinha, pois 2015 merece começar com tudo, não? Plays novas logo no primeiro dia, novos temas, novas oportunidades, novos sonhos... Meu cantinho também irá renascer mais florido para esse ano que vem chegando.
Não é que eu esteja fechando o ano antes que ele acabe, apenas estou programando tudo de forma mais coerente, a play irá até o último dia desse ano, como tem que ser. O divisor de águas é o momento em que o relógio irá marcar 00:00, e nesses próximos 60 segundos, toda uma vida vai passar diante meus olhos - e não só dos meus, aposto.
Tentarei deixar um play bem bonita e nostálgica, quem sabe, até marcante... Andei ouvindo alguns hits antigos, uns novos, minhas eternas paixões musicais, músicas que marcaram, e outras que prometem correr lado a lado com a história que estou prestes a continuar a escrever. Quem sabe o que 2015 tem a nos oferecer? Quem sabe quais músicas vão surgir nesse ano? Quem nos garante o que elas vão nos causar, ou o que elas vão marcar como lembranças? Provavelmente daqui exatos 1 ano e 5 dias eu nem sequer me lembre do que pensei ao estar escrevendo aqui; mas posso presumir sem medo de que o sentimento será semelhante, de que algo está próximo ao fim e que , ao mesmo tempo em que, estaria me agarrando á todos os fatos mais felizes dos 365 dias que passaram para me convencer de que não levo arrependimentos e de que foi um bom ano, estaria também ansiosa por um futuro incerto.
Mas vamos deixar esse papo para uma outra hora, não? Agora o que importa é a Play 2014. Pretendo fazer algo a mais, e diferente do que venho fazendo, além de fazer a minha tradicional Playlist, vou apresentar os 3 cantores, ou bandas, que mais ouvi nessa reta final 2014, espero que gostem.
  • Segunda (29/12): última segunda do ano, e duvido que nessa eu esteja me arrastando como nas outras haha. Começando com uma banda que vem arrasando com a música Rude. Magic! com Don't kill the magic (nome apropriado...). Eu achei uma graça esse som dos meninos, tão bom quanto o Rude, ouvi outras faixas, até mesmo as acústicas, mas só me apaixonei por essa, e por esse clipe.
        
  • Terça (30/12): deixarei os meninos da Forfun encarregados por marcar essa data. Eu nem lembro, ao certo, desde quando eu conheço o trabalho deles, mas faz um bom tempo hein... Lembro que eu colocava História de verão (as 2 versoes) e 4 AM no último volume para me divertir durante muitas tardes aleatórias em que eu ficava a toa nos tempos de escola (nem faz tanto tempo assim, eu sei). Esse clipe ficou muito interessante, e essa música grudou, mais do que chiclete, na minha mente. Como sempre eles arrasando nas letras e no som, além de colocarem nomes legais nas músicas, tipo esse: Coisa pouca. Um dia quem sabe eu não tomo coragem e vou em um show deles?


  • Quarta (31/12): e chega o tão esperado dia, o divisor de águas... Essa música não representa o dia, apenas foi uma descoberta recente (tipo hoje haha) que fiz e me agradou muitíssimo. Lorde me surpreendeu com essa música, eu gostei até mesmo do clipe, da roupa vermelha e tudo mais... Para quem não conferiu, é uma boa oportunidade, não me arrependi em nada de ter dado minha atenção a Yellow Flicker Beat, que se não me engano está na trilha sonora de Jogos Vorazes.

Bom, espero que tenham gostado da última play. Agora vamos seguir aos top 3 desses últimos meses por aqui, que seriam nada mais, nada menos do que:
  1. Maroon 5: como não se apaixonar por eles? Sempre inovando, e criando músicas que nos envolvem de tal forma... Esse último cd (V) me deixou completamente louca, gostei praticamente de todas as faixas. Mas destaco aqui minhas favoritas desse, sendo: Animals, Sugar, Maps e It was always you. Gostei Confere ai essa preciosidade.


  2. Ed Sheeran: adivinha o nome do álbum dele? "X". Comecei com o "V", fui pro "X" haha. Coincidências a parte... Eu ainda não ouvi todo o cd, mas as faixas que eu ouvi, estão perfeitas, essa voz maravilhosa não me decepciona, e esse som bom do violão, muito menos.
    A minha faixa favorita, sem nem pestanejar, é Thinking out Loud. Sou apaixonada por tudo nessa música, no clipe, na letra, na melodia, no cantor, na dança... Ela realmente me pegou de jeito, até eu que não tenho o lado sensível tão desenvolvido assim haha. Perfeição transborda nesse álbum, de fato.


  3. Scracho: finalmente uma banda nacional, não? Haha, pois bem, essa banda é a fofura em integrantes. Outra que eu conheço a anos e anos, e sempre vem me surpreendendo. Muitas faixas deles já marcaram minha vida, e como... O álbum "O Mundo até Aqui" ficou curto (ao meu ver, que amo os ouvir) mas ficou muito bem trabalhado, uma pegada mais acústica, mais solta... Pensando seriamente em pegar uma faixa desse álbum para passar a virada...
    Falando em faixas, minhas favoritas (decisão difícil) são: Sala de jantar, Tudo bem... Não, para. TODAS.
    Mas infelizmente não consigo carregar o álbum aqui, então segue o link.

Por hoje é só, até mais. Espero que você confiram esses talentos ai, porquê realmente valem a pena.

Queimado do sol...

26 dezembro 2014 Nenhum comentário

Música do dia: Thinking out loud - Ed Sheran

Você não pode colocar a vida em pausa. A vida não espera. — A morte e vida de Charlie.
E finalmente eu mudei um pouquinho o hair, não muito... Mesmo corte. A Loira (minha cabeleireira) é um amor, sempre me ajuda a tomar a decisão mais sensata, quando quis cortar meu cabelo na altura da orelha, ela se recusou haha Tão linda. Ela e meu cabelo tem uma relação bonita de carinho, ele a adora.
Depois de semanas pensando, pesquisando, ficando em dúvida, optei pelo Ombré Hair mesmo, para variar um pouco. O corte eu nem sonho em mudar, ainda mais agora que tenho ficado mais encantada com o trabalho da Shailene Woodley.
Para quem não conhece essa guria talentosa, ela fez o filme tão esperado de 2014, A culpa é das estrelas(aliás, esse site é uma gracinha, apaixonante, tem várias curiosidades sobre o livro, e sobre o autor), Os descendentes e Divergente. Esses são os mais famosos atualmente; mas eu a conheço de tempos, desde de a séria A vida secreta de uma adolescente americana (que teve umas 5 temporadas...), onde ela também é a protagonista. Ela vem me mostrando que consegue se adequar a qualquer papel, seja ele dramático, seja ele clichê...
Não sabem ainda de quem estou falando? Pois bem, segue ai site fã (Simply Shailene Woodley) da jovem. Deem uma olhada nos trabalhos dela, é interessante.
Mas voltando ao cabelo... ela ficou linda até mesmo com ele curtinho, não? Impossível não se apaixonar pela aparência dela. Escolhi algumas fotos sobre o visual mais atual, e alguns antigos dela...
                 

           


É, ou não, é uma linda? Confesso que de cabelo curto ela ficou menos menininha, e eu gostei. O que vocês acham? eu a achei corajosa em dar tchau a cabeleira, eu já tive meu momento de coragem também, mas não me adaptei, quem sabe da próxima?

O meu esta com o corte da 2ª foto daqui, e não ficou lá muito parecido, mas eu gostei... Vou tentar colocar uma foto pequena aqui essa semana.
Ah e antes que eu me esqueça... Feliz natal galera *-* Comeram muito? Haha.





Playlist pré-final de ano

21 dezembro 2014 Nenhum comentário
Nada é estático e nossas vida. Nada é à toa. Tudo ganha uma compreensão, tudo é degrau, tudo eleva. — Martha Medeiros

Hoje a Play vai ser especial devido a uma música que me conquistou demais essa semana. Logo mais falo dela.
Mas o que me motivou nessa Play foi o animação que vem vindo junto com essas festas familiares, embora eu não seja muito chegada (confesso, me julguem haha), ainda não me encaixo nessas cenas e situações. Eu até que tento, mas parece que falta algo e ai nada se encaixa perfeitamente, o ambiente não fica confortável comigo e nem eu com ele...
Reta final de 2014 e as músicas que dominam minha play não são as mais recentes desse mês não, devo alertar, estou mesclando bastante, indo de acordo com os meus gostos e minhas saudades. Cada música acaba carregando uma história, ou muitas... Impossível não vivenciar sua letra ou melodia, não a vincular com algo ou alguém. Então lá vamos nós...

  • Segunda: Como vai ser um dia mais de xodó com o pai e de transformação, tenho que equilibrar o pique de 3 ambientes diferentes: academia, salão e cinema. O que me leva a apelar para Rihanna em seu acústico maravilhoso em duas músicas, que eu particularmente adoro. Sintam essa voz, essa harmonia, esse talento. E de Stay caímos na batida emocionante de We found love em um pulo sonoramente gostoso.

  • Terça: A música que escolhi me agrada muito, mesmo sendo de um cantor que não me atrai tanto, talvez porque eu não consiga abrir a mente para esse jovem, quem sabe um dia...  É uma música gostosa de se ouvir, não é agitada, tem uma pequena historinha que dá para se visualizar ao acompanhar a letra, e não é algo incomum, aliás no mundo clichê adolescente é bem mais comum do que se pensa.

  • Quarta: A tão esperada véspera de Natal eu vou deixar nas mãos de uma dupla, que como comentei logo de início, me encantou repentinamente, e por insistência dos anúncios do Youtube durante a minha tão adorada novela coreana; uma música nacional, boa, original, e que retrata uma realidade bem triste -diga-se de passagem. É uma música sobre solidão, sobre escolhas, e o futuro certeiro que todos temos. Essa semana pretendo falar um pouco mais sobre eles, porque sinceramente acho que eles merecem, a muito tempo não me sentia tão empolgada com músicos brasileiros como eles - Tupimasala - a ponto de querer acompanhar cada passo haha.
    Até o nome da música é original e incomum, além de fofo *-*

  • Quinta: O dia em que o Bom velhinho vem visitar as almas com bom coração. Será que ele não daria uma passadinha pela minha humilde residência? Acho que não teria uma música boa para esse dia, aliás nem sei qual encaixar aqui, então vou colocar uma das que eu mais gosto, mas não a mais; é complicado escolher, é uma data especial, um data em quem estarei entre familiares, então não sei bem qual seria a música, porque não sei qual será o clima desse dia, mas vou arriscar com a minha diva Beyoncé mesmo. Ela dará conta do recado, certamente.

  • Sexta: E para finalizar a semana em uma vibe agradável eu arriscaria uma música recente da Anitta, que inclusive foi feita por uma fã dela, e é até fofa a letra e o música ficou boa. Cansava de ouvir ela em Malhação 2014/2015, quando eu conseguia acompanhar, mas nunca tinha reparado muito nela. Digam-me o que acharam dessa ok?

  • Sábado: Acho que só a maluquinha da Kesha e o Pitbull fechariam tão bem essa semana, com uma música que me deixa louca, sou completamente viciada nela, no clipe, na forma dançante e tudo mais. 

Bom por essa Play, é só. Espero que curtam comigo, e se apaixonem pelo talento alheio também.








Você está feliz?

19 dezembro 2014 2 comentários

Música do dia: Sugar -Maroon 5

E a gente briga feito criança, mas a gente se ama tipo adulto. —Breno Velvet

Já ouviram essa música? Não? Então ouçam, ela é dançante, empolgante... E essa voz? Como lidar.
Não sei bem o que vim escrever hoje, mas o dia todo fiquei pensando aqui no meu cantinho (vulgo Blog) e pensando no futuro, ai me toquei de que o presente estava se esvaindo por entre minhas mãos, e foquei na minha preguiça e filmes bons...
E ao ver um vídeo de dança a poucos minutos, com essa mesma música; ficou claro que  todo o meu dia girou em torno de coisas que motivam, que dão forças para seguir ou se levantar toda a manhã, seja um sonho, objetivo, ou algo não muito conhecido ainda. Vontade de viver cada instante como se fosse o último é o nome que melhor cabe atualmente, creio eu.
O que eu ando fazendo para isso? Nada. Exato. O relógio continua badalando e me cobrando cada vez mais sutil de que é perda de tempo tudo o que não instigue a viver; que é perda de tempo esperar as coisas, nem tudo tem o tempo certo que esperamos, o tempo certo das coisas são delas e não vem rotuladas ou escritas por ai nas paredes (seria bom se assim o fosse...), perceber isso talvez levasse mais tempo, mas finalmente ficou claro esse fato. Sinto que sou a pior pessoa dentro o leque de possibilidades de pessoas que eu sou que eu poderia ser. Não posso mais ficar esperando por mim, enquanto eu mesma fica parada, preciso dançar conforme as várias músicas que estão me rondando, seja na faculdade, no curso, no trabalho, ou no grupo de amigos, nos livros, no que move a minha mente. Minha mente exige uma mudança de atitude, ou irá explodir. E não seria uma explosão bonita.
Sou das que prefere adiar as explosões e controlar as coisas, e para isso eu vou precisar força na peruca, porque não é fácil quebrar com rotina, crenças, maus hábitos... E ai de quem tentar me impedir.
Sabe qual é a pergunta que tenho me feito todos os dias, todas as manhãs? "Você é feliz?" E se a resposta não for um Sim convincente, um Sim de 100% de certeza, é porque tem algo errado e a gente precisa reparar enquanto ainda é tempo. É aquela famosa frase de que daqui nada se leva... Esse nada se refere as coisas materiais, visíveis e palpáveis concretamente. E só depende de nós esse Sim, é muito fácil culparmos os outros, mas se analisarmos de verdade veremos que são as nossas falhas que cavam o Não.
É uma pergunta tão simples, mas tão importante. Vivemos para sermos felizes, não? Ou pelo menos para tentarmos... Porque tudo que vem fácil vai fácil, e com a felicidade não seria diferente, aliás é bem mais difícil ainda, torna-se algo complexo diante nossos olhos tão limitados, ás vezes pensamos até precisarmos da ajuda alheia para encontrar um rumo a seguir nessa direção.
Agora se faça essa pergunta, e se tiver a mesma resposta que eu tive, corra atrás, ainda dá tempo, e se não der, a gente suborna o mesmo para que ele passe mais lentamente por uma boa causa.



Drácula, herói e monstro.

16 dezembro 2014 Nenhum comentário

Música do dia: This life and the next

Não pense separadamente nesta e na próxima vida, pois uma dá para a outra a partida. — Rumi (poema Life after death) - Drácula a história nunca contada.

Confesso que estava louca para assistir a umas semanas... e só consegui agora, na quarta passada (10/12), e vi o quanto estava certa em me atrever a isso, eu não sabia se teria muita violência ou não, se seria um filme que me deixaria cismada... Mas fui, e me apaixonei pelo Drácula, não só pelo ator (porque convenhamos que ele deixa tudo muito fácil de lidar haha) mas pela história narrada, alguns "fundamentos" históricos que teriam alguma pontinha de sentido, as vestimentas... Pesquisando um pouco sobre o filme, li uma frase interessante que não me lembro bem da onde foi, mas dizia que o filme combinava o real com o mito, no caso o mito dos vampiros e a realidade com o Conde Drácula e o príncipe Vlad (que é ninguém mais e ninguém menos do que Luke Evan - meninas já podem suspirar agora haha). E para quem não sabe quem é Luke Evans, eu terei o prazer de apresentar.
Agora sobre as guerras, nada a declarar, porque vi algumas coisas muito sem noção, mas que nem por isso estragaram o filme, só se distrair com o que o filme propõem e não focar nos detalhes lógicos e estratégicos de batalha que seriam um pouco óbvios... O que não sai da minha cabeça é... Se queriam tanto se vingar, e matar todos, por que vão mais de 1000 homens em cima de 1 único - que até então eles acha ser normal ? Sério, eles ficam ao redor dele, esperando a vez de serem liquidados praticamente, ninguém se move, ninguém avança sobre os domínios de Vlad, ou para a população, onde foi parar a estratégia nesses dois primeiros enfrentamentos? Não se deveria perder tempo quando se quer algo, conquistar algo, a vingança e o orgulho não andam sempre juntos com a paciência...
O filme tem em si as emoções e sentimentos muito bem marcados, e o poder que isso tem, tanto nas promessas, na vontade de viver e na morte, nas decisões... Mostram o quão difícil é escolher, e que todo mundo deveria saber lidar melhor com isso, se dedicando a, e que só assim as perdas seriam menores e suas dores também. Tem aquele conflito clichê entre o racional e o emocional, que são permeados e influenciados por tantas variáveis, que é um risco julgar de cara, os motivos são tantos e são tão interpretáveis, que de certa forma é até injusto não analisar para tirar qualquer conclusão; não é o tipo de conflito fácil de resolver muitas vezes, leva um bom tempo e aprendizagem, além de uma dose de intuição, para se tornar sensível a percepção de qual lado da moeda usar em determinada situação.
Os personagens em si tem uma força incontestável, uma representação marcante como a igreja, o povo, a nobreza, a pureza, a coragem, os monstros que nos habitam, o medo que nos circunda, a consciência de Vlad, que logo mais digo quem o é... Eles foram estruturados de tal forma que guiam a narração muito bem, eles se sustentam sozinhos e não se ofuscam, cada qual sabe a hora de se destacar.
O príncipe Vlad tem uma história de vida uma pouco trágica, por causa dos interesses turcos nas guerras e sua sede de domínio e conquista. Ele, como outras milhares de crianças, foram dados pelos pais e reis aos turcos para que se evitasse uma guerra em seus locais, o pai de Vlad fez isso; e com isso crianças desde muito jovens eram maltratadas e treinadas unicamente para serem excelentes guerreiros e matar sem pensar duas vezes. Depois de muito tempo e sendo perfeito no que lhe era esperado, Vlad vê o rastro de mortos e desiste desse caminho, ele volta a Transilvânia e se torna príncipe, governando por 10 anos em paz, constitui uma família (mulher e filho - Mirena (Sarah Gadon) e (Art Parkinson) como o filho lindinho deles). Porém como nem tudo são flores, o rei Mehmed (antigo amigo de Vlad, e um de seus admiradores) resolve querem mais do que impostos, e retoma a prática antiga de seu pai de exigir as 100 crianças, e Vlad não aceita - mesmo porque seu filho estaria condenado ao que ele passou-  declarando assim guerra a eles. Porém por serem um povo de paz, com um "exército" incapaz de combater os turcos que são os mais temidos na arte da guerra, quais seriam as chances?
No desespero e no auge do último pingo de esperança, Vlad recorre ao ser das trevas que conhece no início do filme, o monstro (Charles Dance) sem contar a ninguém, depois de saber pelo monge que o mal estava dentro dele e da profecia. Ele não via saída para vencer a guerra e poupar as crianças senão essa. Ao beber de seu sangue e fazer o pacto, Vlad se torna um vampiro com forças e poderes sobrehumanos, capaz de vencer 1000 homens sozinhos, controlar todos os elementos da noite, frágil a luz do dia, tendo apenas 3 dias para resolver a situação, pois em 3 dias se ele não se alimentasse tudo voltaria ao normal, e se caso o fizesse, seria imortal e um eterno vampiro. O monstro lhe explica sua história, e diz que ele é quem o iria libertá-lo da maldição e do engano que sofreu, e que assim sendo, ele o ajudaria em sua vingança, mas acho que ninguém - incluindo Vlad- perceberam esse último e pequeno detalhe haha.
Nesse ponto fica evidente o quão longe o amor pela mulher e o filho o levaram, por mais difícil que fosse ele suportou as tentações e tentou ser o melhor que podia nesses três dias, mas muitas coisas aconteceram, e sua própria Consciência (Mirena) o leva a romper com o plano inicial, pois nada deu tão certo como se esperava. É tão intenso que se você se deixar levar pelo filme, você é quase capaz de imaginar e sentir o que o Lorde Empalador (Vlad) sente e vive.
Ou seja, recomendo que assistam, porque é emocionante e apaixonante, não sou muito fã desses contos e histórias de terror, mas essa me fisgou, e foi por um conjunto de fatores, não só pelo bonitão do ator.
Aqui segue o trailer para quem ficou curioso, e para quem se interessou. Lembrando que o diretor dessa grande obra é o Gary Shore, e os roteiristas (segundo informações que andei procurando, se estiver errado, me corrijam por favor) Matt Sazama e Burk Sharpless. Parabéns, mandaram muito bem.



Trilha sonora do filme das estrelas

15 dezembro 2014 Nenhum comentário

Música do dia: Charli XCX - Boom Clap

No dia seguinte você vai sorrir ao lembrar do filme e vai, com o coração leve e sincero, acreditar que o amor vale a pena.   Roberto Sadovski sobre A Culpa é das Estrelas.

Hoje o foco é a trilha sonora linda desse filme. Já deram uma olhada nela? Tem desde Ed e Birdy, até bandas não muito conhecidas aqui; achei incrível.
Nesse site tem a trilha do filme, se deliciem: site
Eu confesso que me apaixonei pelo Boom Clap, é uma música viciante e animada, que fala de amor de uma forma diferente, talvez um pouquinho clichê adolescente, mas ótima.

E claro que outras duas me chamaram muito a atenção, e também não é para menos, nesses últimos tempos esse ruivinho vem tomando a cena, tem um ar todo angelical... Quem seria? Ninguém menos do que Ed Sheeran. No filme ele arrebentou com a música mais calma All of the stars.



E a que mais fez meu coração se derreter e se apaixonar foi a What You Wanted do OneRepublic, eles acertaram em cheio com essa música; ela é marcante, vibrante e tem tudo a ver, não só com ACEDE como com a história e momentos que muitos dos que viram podem estar passando. E esse vídeo ficou muito fofo *-*


Bom foi só uma coisinha básica mesmo, a trilha sonora é incrível, tem alguns que nunca ouvi antes, mas logo irei, porque pretendo comprar o DVD oficial e o CD também.
Desde Setembro eu queria ter postado sobre, mas minha vida virou uma correria e só agora consegui repor, não me alonguei muito porque acho que essas 3 marcam bem minhas favoritas do drama.
E também porque assim eu compenso a falta da play da semana que teria quer ter sido postada ontem...


Toda forma de amor tem sua irresistibilidade

08 dezembro 2014 Nenhum comentário

Música do dia: Nina Kinert - Combat Lover

Em matéria de amor e guerra, todas as armas machucam. A pergunta é, quem viverá para lutar mais um dia? — Gossip Girl

Quem nunca se apaixonou? Os psicopatas, claro. Mas fora eles...Dificilmente se escapa dessa armadilha. Alguns fogem, outros sofrem, uns se lançam e outros paralisam. As formas de lidar com, são diversas, e nem todas são nobres -convenhamos- mas são consideráveis. Em matéria de Amor ninguém tira 10 não, a média necessária para uma vida plena é 8 e todo mundo (quero dizer, em sua grande maioria) não passa dos 3 ou 4. Mais difícil do que vestibular, ou faculdade... Mas tão emocionante quanto.
E como toda coisa pura, essa também sofre, além das suas já naturais dificuldade, o preconceito e obstáculos desnecessários impostos por terceiros que nada tem a ver com aquilo. O ditado de que sua felicidade vai incomodar muita gente é a pura verdade, não se iluda. Então se preocupar com o que os outros vão dizer sobre o seu Amor e o que você sente, e como sente, é tolice; sempre vão falar algo, e como tem muita
 gente no mundo - jogando um número hipotético... uns 7 bilhões, 276 milhões, 259 mil e  381 habitantes segundo esse incrível site, ao qual fui apresentada pelo blog do Curioso (Marcelo Duarte), que também conheci hoje e fiquei curiosa para conhecer melhor seu trabalho- e todas são diferentes de você... Acredite, você não deveria se importar tanto quanto se importa. Seja mais leve, arrisque mais... se é o que desejas, sim porque tem os que tem medo, e também os que simplesmente não querem, não é nem por nada, só acham que estão melhor sem esse sentimento batucando no peito. Eles se sentem bem e completos estando assim, do lado contrário ao que o Amor ocupa.
Mas é ai é que se enganam -eles e vocês- o Amor não é aquele esquema de 2 pessoas, o lado puramente romântico da coisa; o Amor está literalmente em tudo, sabe aquele Bom dia sincero que uma vizinha dá á outra? Então... é uma forma de amor. Como já remete o nome daquela música magnífica do Lulu Santos: Toda forma de amor *-*
O amor pode estar em qualquer ação, qualquer verbo introspectivo, qualquer pensamento de bondade ou preocupação... Ele se mistura entre as mais diversas definições de adjetivos e verbos, ele emenda todos eles e dá força e valor aos mesmo; por isso dizem que uma vida sem amor, é uma vida vazia, ela não existe de fato. O amor é aquele elemento X que forma as Meninas Super Poderosas (bons tempos...), é o tempero da comida da vovó durante as férias... É o que modifica tudo, é o capaz de transformar a água em vinho e uma vida inteira, muitas vezes não só uma.
O amor é contagioso. Não resista, não perca tempo, abra os braços da alma e o deixe dominar, só há garantias de mudanças, e coisas boas vindo.

Play da Semana

07 dezembro 2014 Nenhum comentário
O “para sempre” é composto de “agoras”.— Cidades de Papel.

Depois de muitas semanas afastada, voltei com as plays, e com poucas novidades (confesso), pelo menos nessa, porque andei descobrindo novos cantores, letras maravilhosas, diversifiquei meu estilo, agora estou mais eclética. Estou mais aberta a ouvir e descobrir o que cada música tem de melhor, o que ela gostaria de passar, e dar a chance de ela se encaixa de alguma forma com a minha vida, ou com o que eu sei do mundo.
Esse lance de ficar fixo em um estilo só, ao meu ver, nos limita muito, perdemos experiências incríveis que são transcritas em meio a rimas, nos raps, no funks, até nas músicas mais calmas, ou as instrumentais -que também trazem sua carga semântica muito forte, você só precisa se deixar sentir e ouvir.
Selecionei uma para cada dia, mas vamos começar pela de hoje, que tal? Que vai me render uma linda pesquisa essa semana sobre essa diva que me inspira muitas vezes. Acho que já ouviram falar da Nicole Scherzinger, que integrou o grupo musical The Pussycat Dolls; ou já tiveram a oportunidade de escutar essa voz incrível. Bom hoje é ela que embala a minha manhã.



Confesso que sou apaixonada por essa música, e a versão acústica ficou perfeita, arrisco dizer que até melhor do que a original *-* Essa mulher simplesmente arrasa, sem comentar esse figurino, certo? Certo... Muito estilo para uma pessoa só.
Essa música me faz querer sair dançando por ai - e olha que nem dançar eu sei haha- me traz uma sensação de tranquilidade e felicidade, aquela sensação boa que dá um friozinho na barriga, ou quando você encontra alguém que faz seu mundo girar em outra frequência.
Mas vamos á lista:

  • Segunda: para embalar um dia repleto de afazeres, conto com a ajuda do excelentíssimo Pharrell Williams  em parceria com a surpreendente Miley Cyrus. Descobri essa música recentemente por acidente e acabei me contagiando com as batidas animadas e o clipe incomum (pelo menos para mim).
Come get it bae - Pharrel Williams feat Miley Cyrus
  • Terça: admito, odiei essa música a primeira vez que ouvi e li a tradução, achei meio sem noção. Aquele estranhamento passou quando me prontifiquei a ouvir mais 1 vez até o final e pude me surpreender por meu próprio corpo começar a se entrosar com a melodia alegre da música, depois passei a analisar melhor a veracidade dos fatos narrados nela e acabei me encantando e agora se me encontrarem cantando ela enquanto malho, não estranhem haha. Sempre bom, darmos uma segunda chance ás músicas, elas podem nos domar... Convido vocês a se deixarem extasiar por essa moça, com a voz afinada e risonha.
All about that bass - Meghan Trainor

  • Quarta: dia de médico, então a música escolhida tem a obrigação de me embalar no passeio de ônibus até lá. Ninguém melhor do que incírvel Taylor e seu mais novo hit. Alias... que hit hein? Já deram uma checada nesse clipe? Eu amei tudo, a letra, a melodia, a montagem das cenas, e o que isso tudo narra, porque sinceramente eu acredito mais nessa versão. Tudo no clipe me fez sorrir, acreditem. Precisamos de mais versões que contem esse lado do Amor e dos casos românticos, afinal... desprezar a realidade é uma falha cruel. Criativa e original. Ela vai dar conta de me manter animada.
Blank space - Taylor Swift 
  • Quinta:  migrando para algo mais calmo e mais suave, com um clipe mais misterioso e mágico, com cenários elegantes e que nos rementem àquelas casas mais antigas, ou europeias, com móveis de uma aparência sofisticada. Uma parceria que combinou perfeitamente com os arranjos musicais, que nos envolvem em uma história que também contém elementos mais realistas como a sinceridade e transparência de relacionamentos que inciam-se declarando seu fracasso até mesmo aos envolvidos, é uma viagem, muitas vezes prazerosa só de ida, a volta tende a ser conturbada ou muito arriscada. A pequena Ariana novamente mostrou o poder e talento em sua voz.
Love me harder - Ariana Grande feat The Weeknd 
  • Sexta: nada melhor do que encarrar a semana com essa voz tão calorosa e apaixonante desse ruivinho que tem conquistado boa parte da população feminina haha Por que tão doce e fofo? Essa música é calma, dançante, e tem um clima romântico e aquele climinha de a dois, mas mesmo quem está sozinho não resiste a mais esse sucesso do Ed. E esse clipe hein? Como lidar com tamanha perfeição? Essa semana,se não me engano, vi uma apresentação dele, não me lembro onde, e a coreografia seguiu ele na música, os dois bailarinos eram incríveis, dançavam de uma forma tão envolvente e linda, impossível sair da frente da televisão - por isso acabei por chegar atrasada no curso... Acontece...
Thinking out loud - Ed Sheeran
  • Sábado: tudo indica que será um dia incrível na Feira desse ano então acho que vou me arriscar com essa mesmo, conheci hoje de uma outra trilha sonora, que em breve trago detalhes.
Until we get there - Lucius

Bom é isso por hoje, espero que gostem, eu estou encantada pela a plya dessa semana, que ela nos dê energia e vibe para enfrentar a rotina.

Um dia essa dor será útil.

06 dezembro 2014 Nenhum comentário

Música do dia: Elisa - Apologize Testo


A gente só devia falar alguma coisa se fosse interessante, ou absolutamente necessária. E eu não tenho nada interessante para dizer. - James Sveck
Você provavelmente estaria se perguntando quem seria James Sveck... Eu também não o conhecia até essa manhã maravilhosa, até que ele se apossou da minha televisão e captou minha atenção. 
Ele, nada mais é, do que um adolescente comum de 17 anos, que não é rotulado como normal - nem por ele mesmo- e está naquela fase da vida nebulosa, onde nada faz sentido e você tenta se encontrar; ele ainda com alguns agravantes: a irmã um pouco fora dos padrões, uma mãe que se casa tentando preencher um vazio, um pai vaidoso que é capaz de se submeter a cirurgias estéticas -mas se o filho pedir salada, o acha gay...- e sua adorável avó, que é quem chega o mais próximo de compreendê-lo e orientá-lo devidamente, além do melhor amigo gay e que ocupa um cargo superior ao dele na própria galeria de sua mãe. Dentre todos esses personagens, ainda surge a terapeuta, que de forma calma e adequada, consegue conduzi-lo - junto a sua avó, principalmente - pelos caminhos tortuosos da adolescências e suas decisões tão marcantes sofrendo menos, ciente de que ele irá se descobrir e saberá lidar com o que reconhecer em si e nos outros.
Em Um dia essa dor será útil, os clichês adolescentes, e os dramas tão pessoais deles, tomam forma em um enquadro cômico e dramático ao mesmo tempo, tendo como principal fator o pessimismo que força o otimismo a renascer diante dificuldades e incertezas. Se tem uma coisa na qual acredito é que é do pessimismo que se pode chegar ao mais puro e forte otimismo de uma situação, é encarando de frente os pontos negativos, que se começa a dar valor aos positivos e que esses passam a ser visíveis.
É um filme sensacional que nos tira do comodismo, sem nos arrancar do que nos é familiar. Retrata como a estrutura familiar é forte e fragilizada, como as relações são totalmente possíveis e moldáveis, os pesadelos de uma mente que se sente incompreendida pelo próprio protagonista dela, ou como se dá o Amor. Afinal, o que seria o amor? Depois de assistir a esse filme, aposto que sua concepção do que é esse sentimento tão nobre irá mudar, se ampliar; e verás a beleza de algo tão simples.
Simples, inovador e brilhante, são essas as palavras que rondam minha mente quando penso em descrever qual foi a minha experiência com o Someday this pain will be useful to you (2012) do -até então desconhecido por mim, porém parecendo ser muito talentoso, diante essa obra que me foi apresentada- diretor Roberto Faenza. Ao pesquisar um pouco mais descobri que foi baseado no best-seller de Peter Cameron , que leva esse mesmo nome, e que pelo que pude apurar na breve pesquisa - já que ainda não comprei o livro, irei encomendar semana que vem na Livraria Cultura- há algumas modificações até mesmo do gênero de um dos personagens, mas lerei e depois venho relatar como é. Duvido que o livro me decepcionará, já que o filme me emocionou tanto.
No elenco contamos com atores renomados como: Marcia Gay Harden, Lucy Liu, Peter Gallagher, Stephen Lang, Ellen Burstyn, e outros muito talentosos como Toby Regbo e Deborah Ann Woll e Aubrey Plaza. De tirar o fôlego imaginar eles trabalhando juntos não?
Bom, abaixo segue o trailer oficial do filme, espero que gostem, eu realente o recomendo, é muito bom, e é instigante, nos faz repensar a forma como estamos levando nossas vidas, ou como a estamos deixando simplesmente nos levar.

A boa filha, a casa torna.

04 dezembro 2014 Nenhum comentário

Música do dia: Calma amor - Lucas Lucco

Compra uma caixa de lápis de cor e sai aí colorindo a vida. — Tati Bernandi
E finalmente cheguei ao final de mais um ano, sobrevivi a mais um semestre na loucura que é aquela faculdade... Mas foi bom para eu aprender a não ficar dando menos do que 100% de mim em tudo o que eu fizer. Fazer as coisas com antecedência, me organizar mais, me comunicar mais com quem preciso... Foi realmente o meu melhor semestre, no quesito notas, trabalhos, amadurecimento, e relacionamentos. Eu quebrei as amarras, enfrentei meus medos, e melhorei, cheguei a 20% da minha capacidade talvez... Não sou boa com números.

Mas não acaba por ai, minhas férias estão totalmente planejadas para os estudos ainda, aquela big pesquisa que preciso me concentrar, os cursos -aos quais me dedico, e mais um de férias que sempre tive vontade de fazer... - e a organização do que não deu tempo de por em dia nesses 2 anos de faculdade haha. Antes tarde do que nunca, não?
Não voltei na sexta, porque tive problemas pessoais seríssimos, não comigo, mas já está tudo resolvido, ainda bem. Então posso voltar a minha quase "rotina".
Pretendo voltar para os meus cantinhos (aqui, tumblr e twitter) porque sinto muito falta, e tenho muito o que compartilhar por ai... Ainda não tenho roteiros, mas não preciso, certo? Certo. Cada dia vai ser algo diferente, nem sempre novo, mas ainda assim importante.
Como todo final de ano, eu já começo a fazer o balanço do que fiz e deixei de fazer, e ainda acho que meu saldo está negativo, mas isso é assunto para outro dia, preciso organizar tudo mentalmente novamente antes de passar a limpo o resultado final - isso é tão... Matemática haha
Mesmo porque o ano não acabou certo? Mais 27 dias. É muito tempo para deixar passar sem fazer nada extraordinário. E isso me faz lembrar que estou louca por alguns livros ai nesse estilo, e vou acabar indo a falência... Mas isso também assunto para outro dia, porque posso ficar babando neles e compartilhar mais informações aqui.
Hoje é só aquele visitinha gostosa, cheia de saudade, mesmo. A próxima será mais demorada e útil. Mesmo porque o dever me chama... A acadêmia também está morrendo de saudade de mim, e eu nem tanto, mas vamos lá... Quase um mês de atraso nos planos, significa que vou ter que - literalmente - correr muito atrás dos meus objetivos, se quiser chegar a algum lugar...


 
 
Desenvolvido por Michelly Melo.