Postagens Pop

Telefone chorou de saudade

30 junho 2016 Nenhum comentário
A dor da gente não sai no jornal. — Chico Buarque.
Vai lá, pega o celular, mas não fica nas atualizações do facebook não, nem visualizar as notificações do whats up; liga! Mas liga mesmo, digita os 9 números que ficam martelando em sua mente, piscando com luzinhas neon, em um incansável lembrete de que sente vontade de fazer isso.

Não perde tempo não! Nem deixa para amanhã, o que o coração pede hoje. Para quê? Isso não irá te fazer dormir mais tranquila; duvido eu que sem essa ligação sejas capaz de pregar os olhos. Contar carneirinho não vai funcionar dessa vez, você não tem mais só 6 anos.

Digo isso pelo teu bem, mas mais pelo teu corpo mesmo. Como ousas deixá-lo nesse estado de aflição por meses? Se eu fosse ele, te deixava na mão! Deixava mesmo, quando estivesse lavando louça, a mão falharia e o prato se espatifaria no chão; se fosse correr para pegar o ônibus, sendo seus joelhos, eu fraquejaria e cairias ajoelhada para deixar de ser boba! Onde já se viu... Seu corpo não merece esse mal trato só porque tens medo da felicidade. Não seja injusta, e não o condene a carregar por mais meses esse peso emocional nas costas, e no coração; bem sabes que uma hora o peso cai e escorrega ao chão, pelos olhos.

Vai preferir molhar a fronha do travesseiro do que movimentar os dedinhos pelos dígitos virtuais? Começo a duvidar de sua esperteza. Como foi que passou mesmo no vestibular? E não é possível que ainda não tenham te demitido por falta de bom senso.
Exato, tão boa no que pedem no trabalho; e tão sem noção no que te toca a vida. Abre a alma, e pega o telefone. Digita o 9 e depois continua a sequência numérica, que te encaminhará para a voz mais linda do mundo.

Liga logo para essa pessoa que possui metade do seu coração! Não viemos ao mundo para viver de metades! Vai buscar a sua, ou pelo menos ouvi-la, afinal já é de madrugada, não pega bem uma visita a cidade vizinha. Só chegarias no horário em que o visitado não está na residência...

Não te preocupes, não ei de contar nem a sua sombra esse momento de lucidez; sua família só saberá se você contar. Espero que conte, mas conte com essa pessoa de mãos dadas a seu lado, só assim teria graça!

Não se faça mais de tola, já deu desse papel! Agora é hora de ser sincera consigo mesma, abrir o coração, e ser impressionante aos olhos dessa pessoa. Essa criatura incrível que faz teu coração palpitar em um ritmo desconhecido e descompassado, que compõe uma bela melodia amorosa. Não é nenhum problema cardíaco genético, e garanto. Confie em mim... Não, melhor ainda: confia em si mesma e liga.

Começa com o clichê Alô e já emenda em um "Senti sua falta". Se não sobrar coragem depois do Alô, só deixa claro isso: "Não é nada não, eu só quis te ligar, porque...". Faz essa pausa mesmo, que para bom entender, as ideias se formaram; e nesse meio segundo de compreensão alheia, você respira fundo, enche o pulmão de coragem e sussurra: Só senti sua falta!

Não precisa mais nada, agora é esperar, e voltar a respirar como gente; a resposta virá. Pode ser que demore, pode ser em meio segundo. Pode ser que ouça a voz aveludada te confortar, ou um riso gostoso ecoar do outro lado. Pode ser ainda que fiques sem resposta. O telefone pode ficar mudo, ou até mesmo ser desligado.

Seu coração aflito pode até ficar em pedaços novamente. Mas quem sabe, aqueles quilômetros, angustiantes e físicos, de distância não vão sendo diminuídos conforme você se distancia do telefone em sua mão? Prepara um chá calmante para se recompor... Pode ser que antes do amanhecer, uma moto descontrolada freie bem a frente do seu portão, e você nem note; e que um soar ansioso rompa o silêncio de sua tristeza, só para te avisar, que aquela pessoa chegou!

Amor de prateleira.

24 junho 2016 1 Comentário
Por cada caquinho de amor que a gente esbarra ou ter na vida, é preciso lutar por uma amanhã melhor, sendo uma pessoa melhor, de alma mais leve e coração mais aberto 
Nada no mundo é capaz de apagar um amor. Disso eu bem sei, não é preciso viver uma história a la Titanic para entender que essa parada do coração é jogo de gente grande, eu diria que de alma grande e coração aberto. Oh negociozinho que complica nossa existência. Uma complicação linda, mas que nos desnorteia e é capaz de nos deixar sem fôlego. Coisa boa? Talvez sim...

Ouvi por ai, mundo a fora, que tinha uma menina que se gabava por não se interessar por nenhum garoto; mas que na verdade colecionava amores, platônicos, imaginários e até mesmo correspondidos. Inclusive os correspondidos eram dispostos em sua prateleira; ali ela ilustrava o que via na sociedade, julgava com números e observações duras, os sentimentos abstratos que ainda não entendia.

Com o tempo a prateleira foi ficando previsível e tediosa, ela não mais se importava, não mais olhava verdadeiramente. Por um momento vislumbrou um novo jeito de se interessar por alguém, saindo dos rótulos dos gêneros; abriu a porta, espiou pela fresta mas não entrou; nem isso a interessou. Começou a se questionar o que tinha de tão bom em interessar-se, ela mal se interessava por ela mesma, quem dirá por outro ser? Desistiu de ser como os outros e continuou a ser diferente, destoando de uma massa que tentava a todo momento englobá-la em um universo de relações clichês e sem fundo poético.

Por um tempo a vida passou tranquila, até que quando observava sua prateleira, sentia-se nostálgica por alguns afetos que não desenvolveu; sentiu saudade, imaginou alguns finais felizes e seguiu a reta. Até que esbarrou em um fenômeno que não conhecia muito bem, ficou meio ofuscada pelo desconhecido, mas foi com a razão como luz para isso, não deixou-se abater pelo que não podia ver ou entender. Deixou-se conhecer, interagiu; apaixonou-se, uma parte de si ali se cindiu; agora eram duas, a que vivenciava um amor, e a que observava de longe e narrava a história que via acontecendo, imparcialmente.

A expectadora desconfiou, investigou e achou vestígios de um mundo de mentiras criado em meio ao romance imaturo; não se abateu e nem se precipitou, foi adiante, os olhos abertos e o coração cínico. Por fim, o término previsível se concretizou e nada mais foi feito ou dito; uma folha virada? As marcas continuaram ali, ninguém rasgou-as ou queimou o livro, ele apenas ficou na estante, em um lugar bem alto para que não fosse tentada a atirar-lhe de sua vida.

Vez ou outra dizem que essa menina ainda vaga por ai, com a mesma existência, aparentemente cínica e por dentro alguém que ainda dá a chance de acreditar. Com qual se conversa, nunca se saberá; ela tem desses mistérios. 

Queria poder perguntar a essa moça o que ela acha do amor agora, mas creio que posso imaginar sua resposta; um sorriso doce de menina, de um coração todo remendado com fita adesiva colorida para não traumatizar, e um tom desafiador que ousaria dizer: O amor? O conheci de perto, mas não foi o suficiente, espero por vê-lo; se o avistar, diga que o espero!

TAG: 15 coisas estranhas sobre mim. (eu toda)

20 junho 2016 1 Comentário
Sinto que sou muito mais completa quando não entendo. É um desinteresse manso, é uma doçura de burrice. — Clarice Lispector.
Bom, faz tempo que não respondo nenhuma TAG, não é mesmo? Encontrei essa no blog da Andressa Silva, do blog Uma doce Desconheciida, e achei bem legal para trazer aqui. Lembrando que vocês deveriam dar umas passadinha no blog dela e conferir as respostas dela, o que também me fez gostar dessa TAG. Além disso, é uma TAG curtinha, 15 questões bem objetivas sobre mim, para vocês conhecerem mais um pouco quem vos escreve.

1.Qual apelido que apenas sua família te chama?
R: Minha família estendida (não é pai e mãe...), principalmente do interior, me chamam de Furacão Branco, ás vezes. Pois eu sempre fui muito branquinha, desde pequena, e eu não parava quieta um segundo, sempre correndo, ai peguei esse apelido.
2.Qual habito estranho você tem?
R: Acho que o que mais chama a atenção é eu estralar o pescoço, com bastante frequência até; não sei por qual motivo faço isso,mas me sinto melhor depois que o faço, mais relaxada...

3.Você tem alguma fobia estranha?
R: Creio eu que não... Mas costumo ter falta de ar de acordo com meu nível de ansiedade e nervosismo, eu quase enlouqueço, fico agoniada querendo respirar e com muita dificuldade, é como se algo estivesse me sufocando. Isso ocorre também se eu ficar presa em algum lugar por tempo considerável, como elevador parado.

4.Qual musica você canta em voz alta?
R: Ultimamente? Fire do BTS, sério. Principalmente a parte inicial do Suga: Bultaoreune
5.Qual mania dos outros que mais te irrita?
R: A mania de começar a falar, aguçar nosso interesse, e não continuar a informação. ODEIO. Agora mania de gesto corporal... Ficar entortando os dedos da mão, não é legal...
6.Quando você está nervosa qual habito você pratica?
R: Quando estou nervosa, costumo ficar tensa, então o hábito que eu pratico é ficar alongando o pescoço de um lado e depois do outro, como se isso fosse resolver meu problema ou a minha tensão física...
7.Qual lado da cama você dorme?
R: Durmo em cama de solteiro, mas sempre voltada pro lado esquerdo, inclusive quando estou em cama de casal.
8.Qual foi o seu primeiro bicho de pelúcia e qual o nome dele?
R: Creio eu que um ursinho normal sabe? E o nome era Tedd (criatividade a mil, hein?)
9.O que você sempre pede no Starbucks?
R: Bom, o que eu sempre peço é o Mocha Branco; sério, é uma delícia!

10.Uma regra de beleza que você prega mais não pratica?
R: Dormir 8 horas por dia... Eu sempre acabo dormindo menos, em média umas 6 horas e meia.
11.Que lado você fica no chuveiro?
R:Novamente, a mairo parte do tempo, esquerdo. E eu não sei porque tem essa pergunta haha
12.Você tem alguma habilidade estranha com o seu corpo?
R: Hum... eu consigo estralar meu joelho com facilidade. Eu não faço ideia do porque isso acontece, ainda mais porque ás vezes eu sinto necessidade física de fazer isso, eu faço em qualquer lugar, desde que eu esteja em pé, e faz um barulhinho estranho e alto. Devo procurar um médico?
13.Qual fast food você sempre come?
R: Não como fasta food, mas como muita tapioca ♥
4.Qual frase de exclamação que você sempre fala?
R: "Oxi!" É bem automático...
15.Na hora de dormir o que você realmente veste?
R: Nisso sou meio normal: pijamas. Porém, calça moletom e blusas masculinas, me sinto confortável.

Bom, essa foi a TAG de hoje, o que acharam? Entenderam essa do chuveiro? Porque eu não...
Espero que tenham gostado, sintam-se a vontade para responder, e me mandem o link aqui... Não esqueçam de passar lá no blog da Andressa para visitar, ok?
Novidade: estou pensando em eu mesma montar algumas TAG's sobre doramas e músicas coreanas, o que acham?


Sorri comigo mesma e fui viver minha vida.

19 junho 2016 3 comentários
Crescer é aceitar que os defeitos são peças indispensáveis no guarda-roupa e, felizmente, nunca saem de moda. — Clarissa Corrêa
Pergunto-me como sobrevivi até os 21 anos sem ter enlouquecido antes. Quanto tempo eu perdi... A loucura tem lá sua beleza; me sou tão rara, que agora sei como me cultivar apropriadamente.

Rasguei meus verbos e me fiz mais humana em cada esquina que deixei cair um pouco da minha curta vida, a curtos passos.

Desfiz-me das minhas antigas percepções e aceitei uma nova Eu, uma mais legal, mais simpática, que nem sempre vai estar certa, mas que vai estar sempre pronta para ser ela mesma. Sabe o quão louco é se apaixonar por si mesmo? Aquele frio na barriga passa a ser diário, as expectativas sobrevivem mas mudam de tom. A vida já te embala em outras melodias, e você dança mesmo que sozinha; quem sabe não aparece algum louco querendo se juntar a sua dança? A vida também é algo desse tipo, compartilhamento, momentos que são divididos no calar das existências.

Meu quarto já me pareceu pequeno, hoje ele tem cantos que ouso em descobrir; vez ou outra encontro uma meia de lembrança em algum canto, ou jogo um punhado de papéis sobre a mesa e finjo ser gente grande enquanto resolvo equações problemáticas que nem Einstein entenderia.

Os livros começam a ganhar vida, e alguns personagens dos meus tão queridos dramas vem me fazer companhia. Comem comigo, conversam comigo, esbarram em algumas histórias do meu pacato passado... Os personagens vão me mostrando partes de mim, que antes ninguém tinha me mostrado. O riso rola solto e a esperança de dias melhores, com doses homeopáticas de amor e sinceridade, transborda por cada célula do meu corpo.

Corpo esse que já foi mais magro, ele confessa. Anda meio arrebentado, mal cuidado; mais ainda tem força para enfrentar umas batalhas matutinas por essa Sampa adentro. Ás vezes bate aquela preguiça, mas nada que uma musiquinha coreana não resolva. Quanto a fome, essa acompanha sempre uma ansiedade que vem não sei de onde, e me invade não sei porquê. Há de ser porque passei dos 15 e agora os "contos de fadas" começam a se rascunhar de outras formas no meu imaginário?

Tornei-me rainha de mim mesma e guerreira dos meus sonhos. Quem diria que alguém tão frágil pudesse governar uma existência tão efervescente... Os riscos agora são outros, não vale a pena ficar parada esperando que algo caia do céu e tudo faça sentido; vai sem fazer sentido mesmo, meio torto, meio confuso... O importante é rir enquanto se vive, sorrir enquanto se ama a si mesmo, e conquistar cada vez mais o mundo.

Em 21 anos só entendi uma coisa, que a loucura de ser quem se é, mesmo que contraditória e meio frágil, é o mais belo passo de dança que a gente tem para com a vida; não tem como não ser aplaudida!

"Temos mais razões para sermos decentes, seja por escolha, seja por constrangimento." (Cortella)

17 junho 2016 Nenhum comentário
Então, se houvesse mais afetos e mais preocupação, digamos, em não desonrar pessoas que nos querem bem, provavelmente teríamos relações melhores e uma sociedade melhor. Clóvis de Barros Filhos (p. 11)
Não sei se já comentei aqui, mas eu tenho uma meta de leitura para esse ano e estou tentando muito bater, sei que 10 livros podem parecer nada para quem costuma ler sempre, mas para mim é muito. Estipulei um número de 10 livros, pois acredito que eu vá bater essa meta até setembro; então eu poderia tentar chegar aos 15 e no ano que vem eu estipular uns 20. Não quero dar o passo maior do que a perna.

Um dos livros que eu queria muito ler desde do ano passado é esse que vim resenhar: Ética e Vergonha na Cara! Esse livro foi escrito por dois filósofos por quem morro de amores, o Cortella e o Clóvis ♥♥ Mas é muito mais do que isso, é um tema bem legal (ética) e perfeito para esse período conturbado que o nosso país vem enfrentando, e que vai continuar, por muitos anos.

Depois de ler esse livro eu não sinto tanta raiva ou desespero, eu até que me enchi de esperança, eu consegui estipular relação entre o modo de vida do Brasil, da Coréia e do que é relatado no diálogo deles. Tudo parece fazer sentido, e o que antes era desespero, se transforma em entendimento. Mas isso sobre nosso país é papo para outro post; hoje tentarei focar somente no livro, que é maravilhoso, recomendo muito.

Li o livro em menos de 2 semanas (demorei, eu sei), ele é bem curtinho 104 páginas, a edição está maravilhosa e bem agradável á leitura. O tema principal desse livro é sobre ética, e portanto sobre corrupção. Cortella e Clóvis nos fazem refletir sobre os nosso próprios valores, princípios, antes de julgar o que está acontecendo no mundo. A corrupção não é exclusivamente política, e isso eu já sabia, mas não tinha a ilustração tão bem feita quanto tenho agora depois de ler isso. Mais uma vez a família é a raiz do problema, e a educação a cúmplice.

Família e  educação, mais dois temas que são discorridos no livro. Eles questionam a sociedade e a exaltam. Citam exemplos de conduta e filosofia, como na Suécia e Suíça. Eles dizem de forma bem tranquila, que na verdade não estamos regredindo, é como se finalmente estivéssemos acordando, se nos agitamos, é porque algo incomodou, logo percebemos algo, e algo terá que ser feito. Como? Para quem ou por quem? Não sabemos, há casos e caso, mas só o fato de estarmos desconfortáveis com essas situações, já revela o quanto estamos mais perceptíveis as coisas negativas que acontecem em nossas vidas, e com isso fica mais fácil questionarmos nossas próprias ações, para darmos exemplos do que queremos. 

O livro aborda também a ética do bem-querer ser bem-querido, que eu achei fantástica! Não falarei nada sobre, para não estragar o prazer de quem ainda não leu esse liro incrível, ok?
Bom a resenha de hoje vai ser bem curtinha mesmo, só para indicar esse livro e falar um pouco dos temas abordados no texto, e exemplificados, além de serem relacionados a todo momento com a nossa realidade e com os grandes pensadores de nossa história; eles fazem links incríveis. Grandes caras, não é atoa que eu amo ouvi-los falar, seja sobre o que for, sempre tem muita sabedoria (não é a palavra certa para usar, eu sei) nas palavras deles.


Título: Ética e Vergonha na Cara!
Autor: Cortella e Clóvis de Barros Filho
Páginas: 112
Editora: Papirus 7 mares
Ano: 2014
Classificação:



Sobre reclamarem do caras atuais, e dos antigos...

15 junho 2016 Nenhum comentário
Cuidado ao desejar um Príncipe Encantado. Lembre-se, ele foi criado para ser encantador, não sincero.
Bom, lendo um texto esses dias atrás, me veio a cabeça que se os homens fossem como antigamente, estariam reclamando deles da mesma forma; pode parecer estranho, mas eu aposto que já faziam isso (de reclamar o tempo todo) naquela época. Os homens segue os ritmos dos contextos, tanto quanto as mulheres.

Na verdade a mulher só é o que é, por sua relação com o homem, e ele também. Podemos não querer admitir ou olhar, mas eles são condicionados por nossos comportamentos também, e por vezes os fizemos se sentirem assim, que os comportamentos ficaram completamente distorcidos e desproporcionais, fora que perderam boa parte do sentido.

Há muitos garotos, e de TODOS os jeitos e estilos; mas na realidade, as meninas (até eu estou nesse rolo...) querem mesmo é que aquele cara em específico, a quem ela dirige olhares e afeto, seja como ela quer; quando na verdade nada nos garante dessa sorte, dessa combinação em potencial, do que queremos e achamos que precisamos, e o que os caras de verdade são.

Porque também tem essa; não é porque que ele aparenta ser um completo babaca e sem noção, pelos comportamentos e por fora, que ele realmente o é; muitos desses ainda tem capacidade de surpreender positivamente, e muito. O mesmo cara pode ser um completo imbecil com uma garota, e ser uma graça com a outra; e isso não é sinal de falsidade (não sempre...) é mais uma questão de "combinação" entre pessoas/perfis, o famoso "o santo bateu" também tem sua parcela de culpa... Do mesmo modo que o principezinho perfeito da sala, pode ser um homem das cavernas com a mãe e irmãs... Quem te garante? As pessoas são muitas versões de si mesmo.

Creio que é uma questão de paciência e vontade de realmente se relacionar e interagir. Não precisamos moldar ninguém; mas em nossos convívios, com nossos amigos, podemos sim espalhar o que é importante para nós, seja ser gentil, romântico, ou simplesmente alguém educado, que respeite qualquer outro ser humano... Compartilhar essas informações pode sim acender mudanças dentro das pessoas.

Da mesma forma que acho que o modo como a sociedade tem criado os meninos é muito prejudicial, principalmente a eles mesmo. Há sociedades que censuram tanto eles, que eles mal sabem como chorar, outros poderiam morrer sufocados de tanto que seguram os seus fardos...

Eu quero muito ter um filho, e fico pensando desde já em todas essas coisas que jamais irei ensinar a ele, ou demonstrar; pois acho ridículo. Meu filho terá o direito de ser quem quiser e será consciente disso (na medida do possível). Vou mostra-lhe que chorar não é vergonhoso, que não é preciso ser grosso para ser respeitável, que saber tratar alguém bem é uma das melhores virtudes que alguém pode ter, etc.

Eu como garota já julguei todos por meia dúzia de otários. Hoje, cursando Psicologia, meu mundo se ampliou; minha cabeça é completamente outra. Eu comecei a olhar ada indivíduo de forma única e mais compreensiva. Eu dou chance para que me mostrem quem são, e mesmo quando uma característica destoa, eu não censuro esse alguém, eu tento entender.

É muita hipocrisia da parte feminina colocar toda a culpa nos homens. São mulheres que os criam também, são mulheres que os amam ou desamam, que os cuidam ou os abandonam... Eles aprendem com a gente, e nós com eles. Não existe ninguém superior aqui. Desçam do salto, porque dai de cima você só vão arranjar tombo!

Essa é uma PARTE da minha opinião atualmente sobre esse assunto. Provavelmente metade do mundo pensa contrariamente a isso, mas ok. O que você pensa sobre? Pode expor sua opinião aqui, fique a vontade; eu até gosto de ouvir o que os outros tem a dizer!

Thumping Spike! Algo para reviver meu Passado com o Vôlei

13 junho 2016 4 comentários
Desejo que você não tenha medo da vida, tenha medo de não vivê-la. Não há céu sem tempestades, nem caminhos sem acidentes. — Augusto Cury
Sei que eu andei sumida, tempo de testes, e foi bem corrido; mas isso não quer dizer que teve pausa no quesito doramas por aqui... Eu assisto diariamente! Hoje o foco é esse short dorama: Thumping Spike, que embora tenha 20 episódios, que são bem curtos, com média de 20 minutos de cenas por episódio, é apaixonante. E ser curto não lhe tira seu encanto, e nem um elenco maravilhoso. Capricharam nas escolhas hein! Sou suspeita, pois sou fã da Hwang Seung Eon e louca pelo Song Jae Rim
Mas meu caso de amor com esse dorama vai além do elenco incrível, que ainda conta com meu mais novo amorzinho (Lee Tae Hwan), pois o tema é sobre vôlei;  e para os desavisados de plantão, eu joguei vôlei no Corinthians, treinamentos oficiais e pesados, por 6 meses (foi o tempo que o meu time durou, pois foi extinto, para manter as mais velhas jogando, e porque meu time estava de mal a pior o ano inteiro...). Ou seja, eu tive ótimas recordações, e péssimas também, sobre essa época linda da minha vida, e da qual eu ainda tenho saudade.

Basicamente, o dorama conta a história da jogadora Kang Se Ra que enfrenta problemas com sua carreira esportiva e com seu corpo, correndo risco de nunca mais jogar. Ela acaba cometendo um certo crimezinho contra o personagem do Lee Tae Hwan e por isso ela tem que ser treinadora do time de escola dele. Lá ela reencontra o Jae Woong, com quem já tinha tido uma treta básica, e as disputas de ego e orgulho começam. Como se não bastasse o conflito dentro do time, a escola pressiona pela extinção do mesmo. 

É linda a forma como o time começa a e moldar e mostrar seus pontos fortes, e o quão bons eles podem ser combinados; e melhor ainda, o quanto o olhar afiado de Se Ra pode ajudar esses meninos a não desistirem dos seus sonhos. E como sempre tem uma pegada bem familiar, como é de lei nos doramas; o quanto o apoio familiar é importante, e o quanto se deve cuidar de seus familiares...
 
Claro, tem romance no dorama, triangulo amoroso de praxe, e personagens cativantes. Os desafios que cada personagem vai enfrentando a cada episódio nos mostra que a vida é isso mesmo, um constante desafiar, e muitas vezes a gente tem muito mais a perder mesmo, mas não podemos fugir, muito menos das nossas responsabilidades.

Quanto ao romance... Deu vontade de shippar errado? Até que deu... Mas eu amo o Song Jae Rim, então fica difícil competir. Porém depois disso, Lee Tae Hwan se tornou tão importante quanto!
Tem a louca apaixonada? Tem também. Loucona, que ela mesmo tem orgulho do seu apelido de maluca. Vai entender... Mas achei que ela desistiu fácil demais desse amor platônico, talvez eu tenha ficado com essa sensação porque foi um dorama curto, e nem deu muito para explorar o personagem dela; mas nas cenas em que ela aparecia, eu sempre ria.

Bom, não darei spoiler, esse é um resumo do que vamos encontrar nesse dorama. Eu recomendo, vale a pena, mesmo sendo curtinho. Tem grandes aprendizados nesses 20 minutinhos. Faz a gente pensar quais são nossos sonhos e o que temos feito por eles, se não os largamos sufocados na gaveta... Espero que vocês tenham a oportunidade de assistir, e que se encantem com a história.

Título: Thumping Spike / 두근두근스파이크
Gênero: Comédia, Comédia Romântica, Short
Episódios: 20
Emissora: Sohu TV
Exibição: 2016
Classificação: 
 

A Senhorita que vem visitar repentinamente...

09 junho 2016 2 comentários
E quantas vezes você escreveu para não enlouquecer ?
E hoje bateu saudade. Aquela saudade que aperta o peito de tão gostosa que é de sentir. Daquelas que não se fingi, nem se faz de tímida; que se faz presente no meio do atordoado dia, e te faz paralisar na calçada, em meio a uma multidão; como se eles fossem ao menos capazes de saber de quem é essa saudade que veio voando, sabe-se lá de onde, e pousou no seu peito, para fazer ninho em suas lembrança e brotar em seus olhos.

Então você sacode a cabeça, olha pro céu, como quem pede por uma explicação, e segue em frente. Continua o dia, ri, se preocupa e planeja. A noite, á em casa, toma um banho para relaxar, e a mente volta a maquinar; e como que avisada de sua solidão humana a senhorita coloca-se a dançar pelo quarto onde você arruma suas roupas e coisas do trabalho. Essa senhorita é muito atrevida, como ousa atormentar-te em pleno dia?

Ela não liga, te mira, ri e faz meiguice. Vai se aproximando com maior intensidade, até que o peito aperta de vez, e as lembranças te dominam. Aqueles dias que compartilharam não vão embora só porque suas rotina exige. Não há tempo no universo, capaz de arrancar-lhe as memórias daquelas sensações. É como se pudesse vivenciar tudo novamente, ali, sozinha. A garganta trava, e a respiração se torna mais audível. O coração corresponde ao que os olhos dele veem. É a vez dele viver o dia, mas o dia de ontem. Nada do que passou nesses últimos meses tem mais valor do que aqueles dias. Bendito dias!

Seus joelhos enfraquecem e pedem suporte; a cama lhe cede de bom grado, e novos mistos de recortes daquela vida te provocam. Os olhos se rendem e fecham para explodir em saudade. Essa que lhe sorri saudosa, que pede que volte; mas você ainda resiste, se faz de madura, e inventa qualquer desculpa para recobrar o domínio de seu corpo.

A Saudade se entristece mais ainda, e congela momentaneamente ao ver sua luta para esquecer; sente dó por ter que abater-te novamente em outra ocasião; pois no fundo sabe, que não aquela que tanto sofre não será capaz de esquecer, nem que queira ou se esforce muito...

Resenha: Click Your Heart - um novo jeito de fazer dorama!

06 junho 2016 3 comentários
E o que eu sinto por você, vai está pra sempre nas minhas memórias, perto das batidas do meu coração, onde você sempre vai estar. - Fran do blog DoseDeilusão
Esse dorama tem um formato bem diferente e inovador. Sabe aquela velha história: "Não gostei do final..." Aqui isso é minimizado ao máximo. Sabe ainda aquele pensamento: "Gostava bem mais dela com o outro cara...". Então, é possível agora!
Click your heart te dá 4 possibilidades de final, cada um com um cara como principal. Você vai escolhendo o futuro de  a cada final de episódio, através das duas opções que o dorama se dá. Se você escolhe por uma opção X, o rumo da história e seu desdobramento muda completamente. Sério, COMPLETAMENTE mesmo!
Meu coração, como sempre, foi roubado logo no trailer pelo diferentão, com cara de bravo! E foi seguindo ele que eu finalizei o dorama, aliás; mas depois resolvi dar uma chance a outros 2 pretendentes: o seu concorrente, e ao melhor amigo da moça. Por quê? Porque eles são muito fofos, e eu me senti muito dividida entre o bravinho (Ju Ho) e o angelical (Cha Ni), sério; meu coração balançou bonito.

Apresentando os Personagens:
O dorama gira em torno da meiga e desastrada Min Ah; e suas relações com: Ju Ho, Ro Woon, Cha Ni e Da Won. Podem babar um pouco, eu deixo...


 


Cada cara, um romance...
Sim, cada caso é uma história COMPLETAMENTE diferentes e imprevisível (a mais previsível é a do melhor amigo, mas ok). Temos pretendentes muito distintos, cada um com seu charme e personalidade; aliás personalidades bem intensas. Fica impossível resistir a todos, acredite. Temos desde o melhor e único amigo, até o menino misterioso que ninguém nota.
Não posso falar muito, pois perde a graça. O dorama já não é muito longo, tem somente 7 episódios (sendo o primeiro o essencial para se começar  assistir, pois é onde todos os personagem aparecem), e cada episódio tem em média 13 minutos... Então vou apenas liberar umas fotinhos fofas que encontrei na internet, para vocês já começarem a se apaixonar pelos atores.


       

 
Sobre a OST fofa:
Vou falar de apenas uma música,a  única que eu realmente achei no Youtube... Mas só ela já vale. Olha que fofura! E é dos próprios atores. Sim, para quem não sabe, Neoz School é um grupo masculino de 9 garotos na casa dos 16 aos 20 anos (se não me engano), entre eles estão os 4 pretendentes: Ju Ho, Ro Woon, Cha Ni e Da Won.
Agora ouçam essa música apaixonante e me digam o que acharam, ok?

Espero que tenham gostado desse dorama tão fofo e inovador. Para quem ficou interessado, deixarei o link do dorama abaixo. E também li em alguns lugares que isso foi uma adaptação de um mangá, procurarei mais a respeito, pois fiquei bem interessada; e caso ache algo, compartilho aqui.
Parabéns ao 1º dorama que me deixa "escolher" com quem a moça deve terminar Ah, e prestem uma atençãozinha especial ao lindinho do Cha Ni, ele sim é capaz de surpreender a todos...

Título: Click Your Heart / 클릭 유어 하트
Gênero: Comédia, Romance
Episódios: 7
Produção: FCN Entertainment
Emissora: Naver TVCast
Exibição: em DramaFever
Classificação:

Motivos nobres. Preocupações enormes!

04 junho 2016 1 Comentário
Dá para colecionar histórias até mesmo na correria, acredite!
Sei que eu desapareci... Deixei uns posts programados, mas só estou voltando agora, sorry.
Os motivos: estudos. Como sempre. E quando eu digo estudos, dessa vez foi hard mesmo, teve até prova de Coreano... Mas eu passei haha *-*

Bom, estou no aguardo das notas e do diploma, assim que eu tiver o diploma em mãos eu irei fazer um post todo voltado para a minha experiência no curso *-* E sobre duas novidades, que envolvem a Coréia...

O post de hoje é mais para matar a saudade e atualizar o que está por vir aqui no Seja Frugal. Eu andei preparando, no mês de maio, uma mini entrevista sobre Tumblr, com 3 meninas que conheci no Tumblr, está ficando bem legal; eu vou tentar de uma forma diferente apresentar o mundo dos unicórnios para vocês. Acreditem, é um mundo incrível! Não é atoa que estou lá a mais de 7 anos!

Outra coisa que vai rolar, é novos posts sobre rotina saudável, pois eu voltarei a malhar. Sim, mundo, finalmente voltarei para a academia, e talvez eu até mude de academia *-*

Como estarei de férias, eu vou fazer uns passeios pelos museus da cidade também, e tentarei registrar tudo aqui, com fotos... Pois tem muitos lugares que valem a pena visitar, e nem são tão caros assim.
Provavelmente vou começar um curso online de curta duração, só para não ficar muito preguiçosa durante as férias, e para ampliar meus conhecimentos básicos. E vou me empenhar em adiantar o meu TCC, pois esse 2º semestre de 2016 promete ser mais difícil ainda.

Pensa só, segundo nível de coreano, 8º semestre da faculdade, academia, finalzinho do curso normal de Inglês; e quem sabe não rola um estágio em uma multinacional? Não vai ser fácil, não! Mas eu não largarei o blog, isso eu garanto. E também não posso largar é a minha vida social!

Tenho outros planos para o blog, nesse ano, como me empenhar mais nas resenhas, e fazer mais mini entrevistas *-* O que vocês acham? Vou tentar me aperfeiçoar, mesmo que para melhorar nas resenhas eu tenha que fazer um curso para escrita. O que não seria má ideia...

Também estipulei algumas "metas" para o blog, não somente número de seguidores, mas também no quesito de melhorar a qualidade das imagens que posto, e tentar deixar marcada a fonte de onde as tiro (pois eu costumo esquecer...); e caso seja possível e eu seja capaz, vou começar a tirar algumas fotos interessantes para usar no blog, acho que é um teste interessante.

Agora me contem, quais são seus planos para esse segundo semestre de 2016 que logo logo irá se iniciar?? O que esperam aqui no Seja Frugal? Aceito sugestões e dicas...
 
Desenvolvido por Michelly Melo.